terça-feira, 1 de julho de 2008

Volta à Ria de Aveiro 29 Junho de 2008

Finalmente realizamos o nosso objectivo de efectuar a Volta à Ria de Aveiro. O grupo de 9 elementos (Evaristo, Pedro, João e Narciso Cruz,Baixinho, Raul, Manel, João Carvalho e Coelho) juntou-se às 9h em frente ao Cine Teatro de Albergaria e rumou em direcção a Canelas, através da zona Industrial e atravessando as obras da A29.

Galeria de Fotos

Em Salreu entramos nos esteios, e fizemos um pouco do percurso da Bio-Ria, alegremente acompanhados por uma enorme multidão de "jovens" que faziam uma corrida pedestre em ritmo bastante calmo. Ultrapassada a dificuldade, seguimos em direcção a Estarreja, ao longo da linha do Norte, passando de seguida pelo Canto do Esteiro. Aí fizemos um zig-zag por caminhos no meio de campos cultivados, canais da ria, por Veiros até ao Bico da Murtosa.

Foi a parte que gostei mais do passeio, vislumbrava-se já o canal principal da Ria, ao mesmo tempo que o Sol começava a brilhar com toda a intensidade, reflectindo na água, juntando a esse esplendor o cheiro a maresia característico da Ria. Depois de um pequeno reforço, e de tirar fotos aos moliceiros com a sua crítica social pintada na proa, seguimos em velocidade mais normal, até a Ponte da Varela. Foi nessa altura que o João Carvalho e o Narciso Cruz regressaram a Albergaria, devido a compromissos familiares.

Como a fome apertava, fizemos uma passagem relâmpago pela Torreira. Já nos tínhamos cruzado com o Zé Carlos e a sua Giant NRS a regressar a Albergaria, e deu para constatar que o passeio do Clube de Campinho continua a arrastar multidões para um dia de salutar convívio. Depois de 15km em grande ritmo, chegámos a São Jacinto, e verifiquei que o restaurante onde pensávamos almoçar tinha cerca de 20 grupos na lista de espera. Mas felizmente apareceu o Sr. Carlos Julio montado na sua bike, que nos conduziu para um restaurante de pessoas amigas, onde fomos servidos com grande rapidez e qualidade.

Percurso à volta da Ria

Após o repasto, demos uma voltita pelo paredão junto à Ria, e foi quando encontrámos o companheiro de pedaladas Bastos, que almoçava numa esplanada acompanhado da esposa. A amena cavaqueira serviu entre outras coisas, para combinar a já muito badalada ida (e talvez vinda) a Viseu pela antiga linha do comboio, dia 12 de Julho. Entretanto chegou a hora de apanhar a lancha para o Forte da Barra, e após embarcarmos as bikes, desfrutamos a viagem na companhia de uma corajosa companheira do pedal, uma senhora americana, que estava a fazer o percurso de Braga até Lisboa. Após o desembarque, e como os nossos caminhos eram diferentes, despedimos-nos da intrépida e simpática ciclista, e rumámos ao Cais Bacalhoeiro da Gafanha da Nazaré, onde se pode contactar o triste estado da nossa frota de pesca longínqua.

Rumámos a Aveiro, atravessámos a praça do peixe, a ponte pedonal sobre a IP5, e seguimos ao longo das obras da nova linha de caminho de ferro, numa ciclo-via improvisada. O resto do percurso já era nosso conhecido, de um reconhecimento que fizemos à pouco tempo, o que nos evitou enganos em Esgueira e Cacia. Novamente junto à Ria, pelo Baixo Vouga Lagunar, regressámos em grande velocidade até ao nosso ponto inicial em Canelas. Dai até a Albergaria seguimos o mesmo trajecto da vinda.

No final do passeio registámos 100km percorridos, algum cansaço nas pernas e outras partes do corpo, mas acima de tudo quero salientar o excelente dia passado, de pleno convívio e alegria com o grupo, este nosso vicio de pedalar, de vencer desafios e superarmos-nos a nós próprios sempre presente!

3 comentários:

Joao C disse...

Este foi sem duvida um dos melhores passeios que já fiz! Tanto o companheirismo como todo o percurso foi excelente! Venha a proxima :D
Evaristo já agora, ve lá se para a próxima trazes o número da "Peixaria" e não do talho hehehe :D

Osicran disse...

Se todas as jornadas de btt fossem como esta, seguramente que eu estaria sempre lá batido e isto, dito por um estradista, significa, como é evidente, que se tratou de uma manhã muito bem passada, com excelentes companheiros e um enquadramento paisagístico por vezes deslumbrante. A repetir!

Joao C disse...

Nem há comentarios... foi tao impecavel que ficaram sem palavras :D hehe