segunda-feira, 21 de julho de 2008

Alombada com a Kat 20 Julho 2008

Para terminar a época de BTT, eu e a Kat demos uma volta no domingo de manha, por um percurso rolante e fácil tecnicamente.
Galeria de Fotos
A Kat aproveitou para demonstrar a boa forma ganha ultimamente nos treinos intensivos de RPM no HP, e eu aproveitei para relaxar, depois dos 170km do fim de semana anterior na ida e volta a Viseu.
Foram cerca de 40km feitos a um ritmo calmo, mas divertidos, até deu para dar um mergulho no rio Vouga, na zona da Foz do rio Mau.
Venham agora as férias, para depois organizarmos mais alguns raides tão fantásticos como os já efectuados este ano, ida a Serra da Freita, Volta à Ria de Aveiro e a épica ida e volta a Viseu (venha dai a linha do Dão).
Boas férias e boas pedaladas!

domingo, 13 de julho de 2008

Viseu 170K - Linha do Vouga 12 Julho 2008

Mais uma vez o BTT Albergaria teve uma iniciativa histórica , ao efectuarmos um etapa de BTT desde a estação de comboios de Sernada do Vouga até Viseu, ao longo da antiga linha do Vale do Vouga, com direito a bilhete de ida e volta!

Album de Fotos

Esta iniciativa contou ainda com um grupo mais vasto de ciclistas, nomeadamente de São João de Vêr e de Aveiro, entre outros, que partiram as 9h de Sernada. Com muita pena nossa, não os podemos acompanhar e viver esta experiência com eles, pois tinham como objectivo ir para Viseu dia 12 e regressar a 13. Fica aqui um abraço para esta malta com o seu espírito de camaradagem e boa disposição inigualável.

Ás 7h50 arrancou de Sernada um grupo de 8 ciclistas (Evaristo, Pedro, João e Narciso Cruz, Nuno, João Paulo, Joaquim Serra e Raul), numa jornada que ficará nas nossas memórias.

Album de Fotos Joaquim Serra
Clicando na imagem do Vouguinha poderão aceder às nossas fotos e carregando na foto acima (chegada dos 8 magníficos ao local onde em tempos existiu a estação de Viseu) poderão aceder ao algum de fotos do nosso amigo Quim.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Volta "Brake Test Dummie"

Em dia de concentração Tuning no mercado municipal, foram apenas quatro os bttistas com “jantes 26” que apareceram junto ao cinema pelas 9 da manhã, para mais um passeio de BTT. Os 4 corajosos foram o Evaristo, o Humberto, eu e o Miguel.

Bruuufas

Iniciamos o nosso passeio com destino a Dornelas com o objectivo de fazer a alucinante descida de mais de 10 km’s da Serra da Escaiba. Com os travões mais ou menos afinados seguimos em direcção a Vale Maior pelo trilho que vai dar ao estradão que vem de Açores. Após termos entrado no alcatrão, o Evaristo protagonizou o momento do dia ao voar literalmente por cima da Lapierre, quando tentava afinar os famosos travões Shimano XT em pleno andamento. Como a lei da gravidade não perdoa, tudo o que sobe também desce, e o (in)feliz contemplado com um bilhete de voo gratuito ficou estatelado no “alcatron” e tive de o ir desencarcerar e retirar todo aquele amontoado de ferro de cima. Resolvida a situação, o Evaristo incapacitado de pedalar mais uns km’s, teve de resignar-se a ir para casa e perder mais um treino para a travessia do próximo sábado. De salientar ainda que o alcatrão apesar dos riscos ficou em bom estado e livre de buracos.

Já sem o acidentado, houve mudança de planos e resolvemos ir em direcção aos cinco caminhos. Já no topo deste, fizemos o já habitual reforço e rumamos às minas do braçal. Nas minas seguimos o trilho do Rally de Portugal em direcção ao rio Mau. Chegados ao rio Mau, vimos que a antiga ponte estava a ser totalmente remodelada e que não terá mais os seus tão característicos muros, que a tornaram tão famosa nos tempos do Rally. Seguimos até à Foz > Carvoeiro > Sernada > Albergaria. Foi uma voltinha de 35 km’s, mais ou menos acidentada, que serviu de preparação para a travessia até Viseu.

João Cruz

terça-feira, 1 de julho de 2008

Volta à Ria de Aveiro 29 Junho de 2008

Finalmente realizamos o nosso objectivo de efectuar a Volta à Ria de Aveiro. O grupo de 9 elementos (Evaristo, Pedro, João e Narciso Cruz,Baixinho, Raul, Manel, João Carvalho e Coelho) juntou-se às 9h em frente ao Cine Teatro de Albergaria e rumou em direcção a Canelas, através da zona Industrial e atravessando as obras da A29.

Galeria de Fotos

Em Salreu entramos nos esteios, e fizemos um pouco do percurso da Bio-Ria, alegremente acompanhados por uma enorme multidão de "jovens" que faziam uma corrida pedestre em ritmo bastante calmo. Ultrapassada a dificuldade, seguimos em direcção a Estarreja, ao longo da linha do Norte, passando de seguida pelo Canto do Esteiro. Aí fizemos um zig-zag por caminhos no meio de campos cultivados, canais da ria, por Veiros até ao Bico da Murtosa.

Foi a parte que gostei mais do passeio, vislumbrava-se já o canal principal da Ria, ao mesmo tempo que o Sol começava a brilhar com toda a intensidade, reflectindo na água, juntando a esse esplendor o cheiro a maresia característico da Ria. Depois de um pequeno reforço, e de tirar fotos aos moliceiros com a sua crítica social pintada na proa, seguimos em velocidade mais normal, até a Ponte da Varela. Foi nessa altura que o João Carvalho e o Narciso Cruz regressaram a Albergaria, devido a compromissos familiares.

Como a fome apertava, fizemos uma passagem relâmpago pela Torreira. Já nos tínhamos cruzado com o Zé Carlos e a sua Giant NRS a regressar a Albergaria, e deu para constatar que o passeio do Clube de Campinho continua a arrastar multidões para um dia de salutar convívio. Depois de 15km em grande ritmo, chegámos a São Jacinto, e verifiquei que o restaurante onde pensávamos almoçar tinha cerca de 20 grupos na lista de espera. Mas felizmente apareceu o Sr. Carlos Julio montado na sua bike, que nos conduziu para um restaurante de pessoas amigas, onde fomos servidos com grande rapidez e qualidade.

Percurso à volta da Ria

Após o repasto, demos uma voltita pelo paredão junto à Ria, e foi quando encontrámos o companheiro de pedaladas Bastos, que almoçava numa esplanada acompanhado da esposa. A amena cavaqueira serviu entre outras coisas, para combinar a já muito badalada ida (e talvez vinda) a Viseu pela antiga linha do comboio, dia 12 de Julho. Entretanto chegou a hora de apanhar a lancha para o Forte da Barra, e após embarcarmos as bikes, desfrutamos a viagem na companhia de uma corajosa companheira do pedal, uma senhora americana, que estava a fazer o percurso de Braga até Lisboa. Após o desembarque, e como os nossos caminhos eram diferentes, despedimos-nos da intrépida e simpática ciclista, e rumámos ao Cais Bacalhoeiro da Gafanha da Nazaré, onde se pode contactar o triste estado da nossa frota de pesca longínqua.

Rumámos a Aveiro, atravessámos a praça do peixe, a ponte pedonal sobre a IP5, e seguimos ao longo das obras da nova linha de caminho de ferro, numa ciclo-via improvisada. O resto do percurso já era nosso conhecido, de um reconhecimento que fizemos à pouco tempo, o que nos evitou enganos em Esgueira e Cacia. Novamente junto à Ria, pelo Baixo Vouga Lagunar, regressámos em grande velocidade até ao nosso ponto inicial em Canelas. Dai até a Albergaria seguimos o mesmo trajecto da vinda.

No final do passeio registámos 100km percorridos, algum cansaço nas pernas e outras partes do corpo, mas acima de tudo quero salientar o excelente dia passado, de pleno convívio e alegria com o grupo, este nosso vicio de pedalar, de vencer desafios e superarmos-nos a nós próprios sempre presente!

Nocturno ao Albergaria ConVida - 27 Junho 2008

Foi num belo final de tarde e com uma agradável temperatura amena que se concentraram frente ao Torreão os bttistas que iriam rumar a um percurso calminho de apenas 30 km pela noite dentro.

Galeria de Fotos

Com a promessa que teríamos um belo manjar no regresso partimos em direcção à Sra. do Socorro e logo aí tivemos o primeiro momento de adrenalina com a famosa descida para os moinhos. Seguimos sempre junto ao Caima até ao Carvalhal, onde voltámos a subir e consequentemente a descer a grande velocidade até próximo de Rendo.

Como fiquei incumbido do percurso foi minha intenção proporcionar a quem não conhecia uma visão nocturna da espetacular vista do alto da serra, mas para isso foi obviamente necessário subir o Gavião. Como estava a ficar um pouco tarde já havia algumas barrigas a dar horas, mas a verdade é que cheias de kilometros não estavam certamente :)

Com mais ou menos potencia de luz (ou mesmo sem nenhuma) pudemos então desfrutar da inevitável descida da capela ardida até ao caminho da Foz. Fizemos o regresso em grande ritmo por Carvoeiro > Sernada > Albergaria. Ainda antes da chegada triunfal ao recinto das festas perdemos um elemento. Não porque foi para o nocturno sem luz e se perdeu, mas sim por via da sua extrema preocupação com o olfacto dos demais comensais que iriam jantar nas tasquinhas ;)

Seguiu-se um belo repasto e convívio que se prolongou até à hora de fecho do recinto. Não posso finalizar sem agradecer ao Dr. Licínio Pimenta, vereador da Câmara Municipal, que autorizou o estacionamento das nossas máquinas junto à vedação da tasquinha num espaço que não perturbou em nada a circulação das pessoas e que muito nos tranquilizou em termos de segurança. Quero ainda agradecer à malta da tasquinha do CCD da Câmara Municipal que nos trataram "que nem reis" e sempre com enorme simpatia. Obrigado e até pro ano no mesmo sitio!

Pedro Cruz